+ All Categories
Home > Documents > UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Date post: 14-Feb-2017
Category:
Upload: trananh
View: 218 times
Download: 4 times
Share this document with a friend
23
UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TURMA: 7MB MARLA ODINA ANDRADE FERREIRA RAQUEL CORDEIRO DE SOUZA SONALLY SALETE SALDANHA PIRES WELINA MARIA DE PAIVA DIAS A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E CARTA DOS DIREITOS DO USUÁRIO MOSSORÓ/RN JUNHO/2010
Transcript
Page 1: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

TURMA: 7MB

MARLA ODINA ANDRADE FERREIRA

RAQUEL CORDEIRO DE SOUZA

SONALLY SALETE SALDANHA PIRES

WELINA MARIA DE PAIVA DIAS

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PARA O SISTEMA ÚNICO DE

SAÚDE E CARTA DOS DIREITOS DO USUÁRIO

MOSSORÓ/RN

JUNHO/2010

Page 2: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

MARLA ODINA ANDRADE FERREIRA

RAQUEL CORDEIRO DE SOUZA

SONALLY SALETE SALDANHA PIRES

WELINA MARIA DE PAIVA DIAS

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PARA O SISTEMA ÚNICO DE

SAÚDE E CARTA DOS DIREITOS DO USUÁRIO

Projeto de intervenção realizado no

HRTM e apresentado ao curso de

Graduação em Enfermagem da

Universidade Potiguar - UnP, como

requisito parcial para a obtenção da nota

do estágio supervisionado de Clínica no

período letivo de 2010.1

MOSSORÓ/RN

JUNHO/ 2010

Page 3: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

1. INTRODUÇÃO

O relatório a seguir faz parte do nosso estágio supervisionado de clínica que foi

desempenhado no acolhimento por classificação de risco e no pronto socorro feminino

da instituição HRTM (Hospital Regional Tarcisio Maia) no período de 25 de março à 14

de abril do ano de 2010. O mesmo enfatizará uma proposta de intervenção a ser

realizada no HRTM objetivando a melhoria da assistência ao usuário SUS, onde será

executado o projeto de intervenção que visa esclarecer e conscientizar o profissional de

saúde e o usuário acerca da Política Nacional de Humanização (PNH) do SUS e dos

direitos do usuário.

A Política Nacional de Humanização objetiva efetivar os princípios do Sistema

Único de Saúde (SUS) no cotidiano das práticas de atenção e de gestão, assim como

estimular trocas solidárias entre gestores, trabalhadores e usuários para a produção de

saúde e a produção de sujeitos comprometidos com a defesa da vida.

Em maio de 2000 foi regulamentado pelo Ministério de Saúde o Programa

Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar (PNHAH) e a humanização

também foi incluída na pauta da 11a Conferência Nacional de Saúde, realizada em

dezembro do mesmo ano. O PNHAH constitui uma política ministerial bastante singular

que se designa promover uma nova cultura de atendimento à saúde no Brasil.

O objetivo fundamental do Programa seria o de aprimorar as relações entre

usuários/profissionais (campo das interações face-a-face) e entre hospital e

comunidade (campo das interações sociocomunitárias), visando à melhoria

da qualidade e à eficácia dos serviços prestados por estas instituições (MS,

2000 apud DESLANDES, 2004 p. 06).

A humanização como política transversal supõe necessariamente ultrapassar as

fronteiras, muitas vezes rígidas, dos diferentes núcleos de saber/poder que se ocupam da

produção da saúde. No entanto, entendemos que tal situação de transversalidade não

deve significar um ficar fora, ou ao lado do SUS. A humanização também é vista como

a capacidade de oferecer atendimento de qualidade, articulando desse modo os avanços

tecnológicos com o bom relacionamento, além disso, apresenta a idéia de acarretar

melhoria das condições de trabalho do cuidador. (DESLANDES, 2004).

Humanizar a assistência também é humanizar o trabalhador de saúde, trazendo

condições dignas de trabalho, com salários justos, incentivos, carga horária estimável,

melhorando também as condições estruturais de trabalho. Pois acreditamos que assim

Page 4: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

também trará ao profissional estímulos para promover uma assistência qualificada.

Conforme CAMPOS (2005), “A humanização ainda depende das mudanças de cada

sujeito, em relação à ênfase de valores ligados à defesa da vida, na possibilidade de

ampliação na condição de desalienação e de transformar o trabalho em processo criativo

e prazeroso”.

De acordo com pesquisas realizadas no artigo “Análise do discurso oficial sobre

a humanização da assistência hospitalar”, DESLANDES (2004) argumenta que foram

diagnosticados como “problemas de humanização”: a deficiência do diálogo, a

debilidade do processo de comunicação entre profissionais e usuários e entre

profissionais e gestores, repercutindo de forma negativa no cuidado prestado. O

desrespeito à palavra e a falta de troca de informações, a fraqueza da escuta e do

diálogo, que por sua vez, promoveriam a violência, comprometeriam a qualidade do

atendimento e manteriam o profissional de saúde refém das condições inadequadas que

não raro lhe imputam desgaste e mesmo o sofrimento psíquico. Assim, a humanização

também é vista como ampliação do processo comunicacional, sendo esta sua diretriz

mais central da proposta de humanização.

Por fim, apresentamos como significado cultural de cuidado humanizado, a

reflexão que VILA & ROSSI (2002) completa: “Tendo a cultura como um sistema de

significados pelo qual os indivíduos percebem e compreendem o mundo que habitam,

aprendendo a viver dentro dele”. Contudo a compreendemos que enfermagem tem a

responsabilidade e o compromisso ético e profissional de resgatar o sentido do seu agir

e isso só será possível a partir da conscientização de que o ser humano é capaz de

buscar a si mesmo, a sua essência e por conseqüência buscar o outro.

Para o projeto de intervenção pretendemos realizar a distribuição de uma cartilha

que forneça orientações ao usuário SUS acerca do que lhe é direito na hora de procurar

o atendimento de saúde. Para isso, montaremos uma tenda na praça que fica em frente

ao HRTM para distribuição e orientações do conteúdo da cartilha. Também será

oferecido um lanche saudável enquanto elemento atrativo para esse momento

informativo, que propõe defender os interesses do usuário SUS, bem como contribuir na

melhoria da qualidade da assistência através do modelo de clínica ampliada, da

humanização e dos princípios que norteiam o SUS acerca da integralidade, equidade e

universalidade da assistência.

Page 5: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Também será mostrado a nossa proposta de intervenção de estágio

supervisionado de clínica na instituição HRTM (Hospital Regional Tarcisio de

Vasconcelos Maia) no dia 16 de junho do ano de 2010. O mesmo enfatizará a

implementação de uma intervenção realizada com os profissionais de saúde do HRTM,

objetivando a melhoria da assistência ao usuário SUS, onde foi executado o projeto de

intervenção que visa esclarecer e conscientizar o profissional de saúde e o usuário

acerca da Política Nacional de Humanização (PNH) do SUS e dos direitos do usuário

SUS.

Para isso teremos um convidado para falar sobre humanização, relações

humanas e trabalho e nós que enfatizaremos um material de caráter resumido de uma

cartilha elaborada pelo Ministério da saúde (MS) que retrata a humanização, bem como

a carta dos direitos do usuário na integra também elaborada pelo MS. Com intuito de

otimizar este momento distribuiremos ao final bombons de chocolate com uma frase

anexada ao mesmo.

Vale ressaltar que na área dos estudos em enfermagem, em consonância com a

própria formação acadêmica e profissional, a atividade de intervenção da realidade é um

artifício de muito valor para questionar a realidade em que atuamos no qual o

conhecimento e a aprendizagem é um caminho de constante busca de conhecimentos e

experiência.

Page 6: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

2. ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO COM VISTAS A

POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO DA ATENÇÃO E GESTÃO DO

SUS (HUMANIZASUS) E CARTA DOS DIREITOS DO USUÁRIO:

A Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS

(HumanizaSUS), instituída pelo Ministério da Saúde em 2003 reconhece que estados,

municípios e serviços de saúde estão implantando práticas de humanização nas ações de

atenção e gestão com bons resultados, o que contribui para a legitimação do SUS como

política pública.

A humanização na saúde caracteriza-se como um movimento no sentido da

concretização dos princípios do SUS no dia-a-dia dos serviços. Dessa forma, com a

Política Nacional de humanização (PNH), o Ministério da Saúde propõe estimular esse

movimento, incentivando a valorização de todos os atores e sujeitos que participam na

produção da saúde.

O HumanizaSUS tem o objetivo de efetivar os princípios do Sistema Único de

Saúde no cotidiano das práticas de atenção e de gestão, assim como estimular trocas

solidárias entre gestores, trabalhadores e usuários para a produção de saúde e a

produção de sujeitos. Queremos um SUS humanizado, comprometido com a defesa da

vida e fortalecido em seu processo de pactuação democrática e coletiva.

Diante da concepção da OMS a humanização do SUS trata-se de:

Valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de

saúde: usuários, trabalhadores e gestores; Fomento da autonomia e do

protagonismo desses sujeitos e dos coletivos; Aumento do grau de co-

responsabilidade na produção de saúde e de sujeitos; Estabelecimento de

vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão;

Mapeamento e interação com as demandas sociais, coletivas e subjetivas de

saúde; Defesa de um SUS que reconhece a diversidade do povo brasileiro e a

todos oferece a mesma atenção à saúde, sem distinção de idade, etnia,

origem, gênero e orientação sexual; Mudança nos modelos de atenção e

gestão em sua indissociabilidade, tendo como foco as necessidades dos

cidadãos, a produção de saúde e o próprio processo de trabalho em saúde,

valorizando os trabalhadores e as relações sociais no trabalho; Proposta de

um trabalho coletivo para que o SUS seja mais acolhedor, mais ágil e mais

resolutivo; Compromisso com a qualificação da ambiência, melhorando as

condições de trabalho e de atendimento; Compromisso com a articulação dos

processos de formação com os serviços e práticas de saúde; Luta por um SUS

mais humano, porque construído com a participação de todos e

comprometido com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para

todos e qualquer um (MS:

http://portal.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/visualizar_texto.cfm?idtxt=28

288)

Page 7: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

A Política Nacional de Humanização deve ser implementada enquanto política

que opera de forma transversal em toda rede SUS, devendo a mesma está presente nas

diversas práticas de saúde e esferas do sistema de gestão.

Para que se promova humanização é necessário que o profissional tenha atenção

e vinculo com os usuários, garantindo direitos aos usuários e seus familiares, que

segundo o Ministério da Saúde diante do HumanizaSUS “trata-se, portanto, de olhar

cada sujeito em sua especificidade, sua história de vida, mas também de olhá-lo como

sujeito de um coletivo, sujeito da história de muitas vidas” (MS, 2006 p. 04).

É necessário o compromisso com o sujeito e com o coletivo, o que evidencia o

modelo de clínica ampliada que vai além dos procedimentos da técnica e do

biologicismo, valorizando o ser pessoa enquanto uma dimensão ampliada

biopsicosociocultural e familiar.

Vale ressaltar que a Saúde Coletiva privilegia, nos seus modos de análise,

quatro focos de tomada de decisão: as políticas (formas de distribuição do

poder, eleição de prioridades, perspectivas de inclusão social e visão de

saúde); as práticas (ações institucionais, profissionais e relacionais,

permeabilidade às culturas, produção de conhecimento); as técnicas

(organização e regulação dos recursos e processos produtivos) e os

instrumentos (os meios para a intervenção) (GASTÃO, 2006 p.139)

Associado as políticas, as práticas, as técnicas e os instrumentos, as ações de

saúde coletiva têm como principal eixo norteador as necessidades sociais em saúde, o

que evidencia uma preocupação com saúde do público ou mesmo do usuário que

depende da assistência oferecida pelo SUS.

Para atender as necessidades sociais de saúde com ênfase no SUS deve ser

assegurado a integralidade da atenção, a equidade e a universalidade que independe de

grupos étnicos, classes sociais, gerações, gênero, raça, situação socioeconômica,

populações e segmentos culturalmente diferenciados, propondo-se a qualidade e

humanização do atendimento para que se permita uma atenção integral.

Políticas de saúde privilegia a organização dos serviços e do sistema de saúde,

reconhecendo segundo a Constituição Brasileira de 1988 e de acordo com o Art. 196

que:

A saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas

sócias e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros

agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua

promoção, proteção e recuperação. (GASTÃO, 2006 p. 220)

Page 8: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

A Política Nacional de Humanização (PNH) para o Sistema Único de Saúde

(SUS) tem como objetivo intervir a fim de promover a melhoria dos processos de

trabalho e permitir a qualidade da produção de saúde para todos.

A proposta da Política de Humanização elaborada em 2006:

Não se restringe apenas aos serviços de prestação direta de assistência à

saúde, como hospitais, outras unidades de saúde e o Programa Saúde da

Família (PSF). É também adequado ao âmbito das instâncias gestoras

vinculadas ao SUS estadual e municipal (distritos sanitários, secretarias

municipais e estaduais de saúde), do Ministério da Saúde e, também, das

parcerias entre municípios e cooperações interinstitucionais (entidades

formadoras, conselhos profissionais, etc).(MS, 2006 p. 05)

Diante da PNH é preciso fortalecer, consolidar e expandir ainda mais os grupos

de trabalho de humanização (GTH) no Ministério da Saúde, mas principalmente nos

serviços de saúde. Esses GTH implantariam uma nova forma de trabalho que priorize a

política de humanização, respeitando a dinâmica de cada unidade e permitindo a

otimização dos serviços.

De acordo com o código de ética dos profissionais de enfermagem, resolução

COFEN N. 311/2007, a enfermagem é uma profissão comprometida com a saúde e

qualidade de vida da pessoa, família e coletividade. Devendo atuar na promoção,

prevenção, recuperação e reabilitação da saúde, com autonomia e em consonância com

os preceitos éticos e legais.

O profissional de enfermagem participa, como integrante da equipe de saúde,

das ações que visem satisfazer as necessidades de saúde da população e da

defesa dos princípios das políticas públicas de saúde e ambiental, que

garantam a universalidade de acesso aos serviços de saúde, integralidade da

assistência, resolutividade, preservação da autonomia das pessoas,

participação da comunidade, hierarquização e descentralização político-

administrativa dos serviços de saúde (COFEN N. 311/2007 p. 04)

Lembrando que o profissional de enfermagem respeita a vida, a dignidade e os

direitos humanos, em todas as suas dimensões e exerce suas atividades com

competência para a promoção do ser humano na sua integralidade, de acordo com os

princípios da ética e da bioética, sem discriminação de qualquer natureza. O mesmo

deve colaborar com a equipe de saúde no esclarecimento da pessoa, família, e

coletividade a respeito dos direitos, riscos, benefícios e intercorrências acerca do estado

de saúde e do tratamento. Deve o mesmo respeitar o pudor, a privacidade e a intimidade

do ser humano em todo ciclo vital, inclusive nas situações de morte e pós-morte.

Sendo assim o projeto de intervenção acerca da Política Nacional de

Humanização, visa trabalhar no âmbito do Acolhimento e Pronto Socorro Feminino do

Page 9: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Hospital Regional Tarcisio Maia uma vez que estes foram os locais elencados para o

Estágio Supervisionado I dos alunos envolvidos neste.

Diante do acolhimento por classificação de risco visualizamos a necessidade que

o profissional de saúde compreenda as especificidades da população no que se refere a

está preparado para lidar com as questões dos ciclos vitais particularmente no que

concerne à dimensão subjetiva da pessoa, bem como romper com a fragmentação do

processo de trabalho e interação precária nas equipes multiprofissionais. Assim como as

rotinas peculiares do Pronto Socorro feminino mediante a demanda de usuárias e a

necessidade de acompanhar a história pregressa destas para uma melhor efetivação do

trabalho não só como prática pontual e sim como educação continuada dessas usuárias,

com vistas também para o seu processo de reabilitação independente de permanecerem

no âmbito hospitalar ou retornarem ao seu lar.

Quando falamos em humanizar ainda passamos por problemas no que diz

respeito ao sistema de se fazer saúde em algumas instituições e as mentes de alguns

profissionais. Porém apesar de ser tratar de algo relativamente novo isto esta já foi

pensado em épocas passadas. A grande mestra se foi, mas em nossas mentes seus

ensinamentos permanecem envoltos no mais perene e significativo raio de luz, suas

ideias são grandes bússolas por onde seguimos em frente numa desafiadora viagem

pelos mares da medicina, com o propósito inabalável de descobrirmos o mais

rapidamente possível e da maneira mais eficaz, o conhecimento e as explicações para

determinadas patologias que ainda hoje nos desafiam, nos intrigam, nos instigam a

adentrar mesmo que a deriva em muitos casos em direções estranhas e assustadoras no

campo da pesquisa.

O que Nightingale prenunciava há muitos anos atrás a respeito da humanização

da saúde é objeto de acaloradas discussões, debates intensos e bastante proveitosos, no

entanto, não é possível falarmos em humanização sem considerar o cenário no qual ele

vem ganhando destaque crescente em Programas no campo da saúde pública.

Essa concentração por temas indica um caminho pelo qual o modismo ganha

proporções assustadoras, o afastamento das reais ações do serviço de cobertura e

assistência ao paciente se dissolve em meio a um enorme mau entendimento daquilo do

que venha a ser as políticas de socialização dos serviços de saúde pública; poderíamos

chamar este estado da arte da saúde de conceito-sintoma (FIOCRUZ, v.1, n6 p. 4-7,

2005).

Page 10: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Chamar de conceito-sintoma essa noção que paralisa e reproduz um sentido já

construído, significa que a humanização possui estabilizados e construídos muitos de

seus sentidos, repousados num movimento de mudanças de práticas de saúde do qual

advém.

Coincidindo com o surgimento do SUS nos anos 1970 e 1980 as práticas de

saúde foram postas em pauta pelo movimento feminista na década de 1960, fato este

responsável pelo debate em torno da saúde da mulher (CARNOT, 2005, COSTA, 2004,

VIEIRA, 2002, ALMEIDA, 1984). Do início dos anos 1960 até o final da década de

1980, foi possível perceber a evolução do movimento em busca das mudanças nas

práticas de saúde. Chegando ao ano 2000 encontraram o que poderíamos chamar de

reflexos ou refrações paradoxais de formas instituídas, veios que sangravam e sujavam

as imagens vazias, disformes, slogans corroídos pelas incoerências de um discurso

controverso, e alimentado por mentiras bem articuladas e repletas de armadilhas de

natureza destrutiva a força instituinte se desfez.

A humanização assim deve-se apresentar-se como um conceito-sintoma

presente nas práticas de atenção segmentadas por áreas, saúde da mulher, da criança, do

idoso; por níveis de assistência hospitalar, procedimento o qual facilita o exercício de

profissionais (assistente social, psicólogo) indispensáveis à boa harmonia e convivência

com o tratamento dos pacientes (CANGUILHEM, 1978).

Perceber no conceito de humanização o caráter sintomático que se impõe, é

reconhecer o que paralisa, mas também perceber algo presente na dinâmica do processo

que se pretende como índice de movimentos os quais não se esgotam na análise do

conceito-sintoma. Este entendimento permite-nos retomar o processo pelo qual a crítica

se constrói ao redor das práticas de saúde. O “bom humano”, figura esta responsável

pela regulação das experiências concretas (COSTA, 2004).

Assim sendo, fica claro a necessidade de se recolocar o problema da

humanização do pronto do Hospital Regional Tarcísio de Vasconcelos Maia no cerne

das observações humanistas da saúde, uma vez que o mesmo encontra-se

profundamente sucateado, suas instalações inspiram desconfiança, sua equipe de

profissionais não está devidamente treinada, a desumanidade do corpo Médico é

alarmante; há superlotação, insensibilidades, arrogância, descaso, negligência são vistos

como mantras dentro da instituição, diante deste quadro desolador faz-se necessário

abrir-mos um debate sério e demorado a respeito dos reais e deploráveis serviços

oferecidos (CARNOT, 2005) defende a necessidade urgente de se capacitar os membros

Page 11: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

de uma unidade de saúde com a devida qualidade, dotá-los com um senso humanidade

intenso, com uma percepção da plana harmonia física e humana, assim como da efetiva

e dinâmica de funcionamento das instalações estruturais.

Este debate nos fará compreender melhor o que existe por traz daqueles que

dirigem um centro médico, assim como daqueles que o compõem e deveriam mantê-lo

funcionando adequadamente, bem como obriga-nos a expandir os limites definidores do

conceito, o qual tem seu sentido resistido controvertidamente em detrimento de seu

sentido instituído. Desta forma, com essa idealização do humano se espalhando pelo

imaginário social, o desafio que se nos mostra é o de redefinir o conceito de

humanização tendo como princípio a interface – Comic, Saúde, Educ, v.9, n.17, 289 –

406, mar/ago 2005.

VARELA (2005) enceta uma crítica a este homem o qual se pretende figura-

ideal desencarnada cujo sobrevôo regulador, longe de dispensar toda e qualquer

orientação, pôe em questão todas as práticas responsáveis por normalizar o que causa

um contraste no que se reconhece por “normatividade” do vivo como aptidão menos de

seguir do que criar normas.

A humanização neste sentido, não pode e não deve ser pensada a partir de uma

concepção estatística ou de distribuição em torno da população de um ponto de vista se

entende por normal (entenda-se moda).

Pretende-se com isso, defender o entendimento de que o humano não pode ser

buscado ali onde se encontra a maior incidência dos casos ou onde a curva alcança o seu

auge; o homem real ou o homem – figura – ideal, metro – padrão que não se assemelha

com nenhuma existência concreta.

Compreender a dinâmica da existência concreta é um fator relevante para se

considerar o humano em sua diversidade normativa, as mudanças dão novas

possibilidades de se experienciar novos movimentos da coletividade. Esta

desidealização do homem consoante as palavras de (BENEVIDES & PASSOS, 2005)

dá como direção o necessário reposicionamento dos sujeitos implicados nas práticas de

saúde. Desta maneira, redifine-se o conceito toma-se a humanização como uma das

várias estratégias disponíveis para se interferir nestas práticas, além de se levar em

consideração os sujeitos sociais imbricados em toda a micro e macroestrutura humana

que esses atores empreendem por intermédio do engajamento nas práticas de saúde.

Quando esses atores se mobilizam, são capazes de, coletivamente, redefinir as

realidades transformando-as a si próprias neste idêntico processo. Percebe-se então,

Page 12: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

tratar-se de investir por meio de uma concepção de humano; noutras formas de

interação entre os sujeitos constituintes destes sistemas de saúde, usufruem se

transformando os atores e fomentando uma atitude protagonista (ALMEIDA, 1984).

Ganharemos todos se uma redefinição do conceito de humanização promover a

amplitude devida, dar sustentação e segurança ao entendimento do que esta representa

para a saúde, se seus métodos e funcionamentos forem explicados. Afinal de contas de

nos servirá este esforço conceitual se isso não causar uma nova reformulação nas

práticas concretas dos serviços de saúde, na melhoria da qualidade de vida dos usuários

e na melhoria das condições de trabalho, remuneração, aparelhamento, na capacitação

dos profissionais, na higienização dos ambientes, na desburocratização das ações

administrativas dentre outros aspectos que não cabem dentro deste roteiro e não termos

espaços o suficiente para detalharmos devidamente, o que ficará como uma aresta a ser

observada em outro momento.

Page 13: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

3. PROPOSTA DE INTERVENÇÃO E DETALHAMENTO DAS AÇÕES

REALIZADAS:

3.1 sistematização das ações em enfermagem

Devemos entender que o processo de exercício da enfermagem pauta-se numa

abordagem a qual busca a resolução de problemas com o intuito de atender às

necessidades de cuidado de saúde de uma pessoa, nesse trabalho de intervenção se dará

importância ao repouso de mulheres no Pronto Socorro do Hospital Regional Tarcísio

de Vasconcelos Maia.

Sendo uma atividade intelectual, deliberada, a enfermagem aborda

sistematicamente toda a situação na qual se encontra o paciente para diante dos dados

fornecidos tanto pela observação quanto pelos dados recolhidos na entrevista com o

paciente traçar os caminhos que levarão a sua cura (BRUNNER, 2002).

Avaliar a qualidade dos cuidados profissionais oferecidos na pessoa do

enfermeiro o qual deve garantir a prestação de contas e a responsabilidades para com os

mesmo cliente/paciente. Observar se as dinâmicas das ações são sistematizadas e inter –

relacionadas, além de perceber se está havendo um esforço de qualidade no se pode

chamar relação interpessoal entre enfermeiro e paciente.

É sabido que a enfermagem no em sua forma mais conhecida consiste em cinco

fases bem distintas e que se interrelacionam: levantamento de dados, diagnóstico,

planejamento, implementação e avaliação.

4. ETAPAS NECESSÁRIAS AO FUNCIONAMENTO DA ENFERMAGEM

As etapas serão trabalhadas dinamicamente para que se tenha uma visão

panorâmica do seu funcionamento, das suas interrelações, do acomodamento de uma em

outra, ou seja, serão expostas as cinco fases necessárias e indispensáveis ao bom e

correto exercício da enfermagem, consoante as orientações florencianas.

4.1 histórico e levantamento de dados em enfermagem

Coleta sistematizada de dados para determinar o estado de saúde do paciente e

identificar qualquer problema de real ou potencial. Com esse comportamento pretende-

Page 14: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

se identificar os dados objetivos (aqueles fornecidos pelo paciente verbalmente) e

subjetivos (aqueles que são observados a partir do comportamento verbal, psico – social

e físico).

4.2 construindo e detalhando as ações a serem realizadas num projeto de

intervenção.

1ª Fase: O registro de informações que venham facilitar a identificação do

paciente.

2ª Fase: O enfermeiro deve buscar informações sobre a doença e o seu

tratamento para dinamizar as ações a serem realizadas no atendimento. O enfermeiro ou

a enfermeira se situará a respeito do quadro patológico apresentado pelo paciente,

procurará os fatores ambientais, sociais, características pessoais, comportamentos e

hábitos responsáveis pela debilitação do estado de saúde do paciente.

3ª Fase: O enfermeiro responsável levantará dados sobre os hábitos diários do

paciente dentro dos níveis biológico, psicossocial, do modelo de horta e de orem, que

futuramente possam influenciar na sua assistência, necessitando de determinadas

intervenções da enfermeira no período de internação ou após o mesmo.

4ª Fase: A observação de sinais vitais, coerência na fala, organização do

material cognitivo, perímetros, estatura e peso, além de dados coletados por meio de

inspeção, paupação, percussão e ausculta, a fim de reconhecer sinais positivos

(normais), sinais negativos (anormais) nos mais diversos sistemas biológicos do

paciente.

5ª Fase: A psicossocialidade do paciente também é observada, o que diz

respeito interação do paciente com o meio circundante; essas informações ajudarão o

enfermeiro na resolução de possíveis conflitos, o apoio espiritual se faz necessário para

o conforto mental, se alguma mudança for percebida no autocuidado do paciente a

enfermeira deve estar atenta e saber como agir diante desta instabilidade, as mudanças

de humor bruscas deverão ser observadas para se conhecer bem a origem e a

envergadura da patologia.

Page 15: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

4. IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO REALIZADA NO

HOSPITAL REGIONAL TARCÍSIO DE VASCONCELOS MAIA:

A princípio traçamos enquanto proposta para o nosso projeto de intervenção

realizar a distribuição de uma cartilha que forneça orientações ao usuário SUS acerca do

que lhe é direito na hora de procurar o atendimento de saúde, que seria realizada na

praça que fica em frente ao HRTVM, onde ficaríamos em uma tenda e realizaríamos a

distribuição e orientações do conteúdo da cartilha aos usuários e também aos

profissionais de saúde do setor de Acolhimento e Pronto Socorro Feminino do Hospital

Regional Tarcisio Maia.

Para este momento de intervenção também seria oferecido um lanche saudável

enquanto elemento atrativo para esse momento informativo que propõe defender os

interesses do usuário SUS, bem como contribuir na melhoria da qualidade da assistência

através do modelo de clínica ampliada, da humanização e dos princípios que norteiam o

SUS acerca da integralidade, equidade e universalidade da assistência.

Ocorre que reavaliamos o conteúdo da nossa proposta de intervenção que passou

por algumas modificações, uma vez que é necessário inicialmente trabalhar o

profissional de saúde que se engaja na assistência do HRTVM, independentemente do

setor mediante o que preconiza na Política Nacional de Humanização e o que o

Ministério da Saúde institui como direitos do usuário SUS. E só assim posteriormente

poder discutir este material com o usuário que recebe a assistência, pois a mesma deve

vim ao conhecimento de todos. No que se refere ao lanche saudável o mesmo ficou

inviável, pois a principio nosso público era além dos profissionais do acolhimento e do

pronto socorro, também seria o usuário, onde neste ultimo caso teríamos um público

rotativo, o que dificultaria traçarmos uma quantidade de alimentação ideal a essa livre

demanda.

Dessa forma, para realizarmos a implementação da nossa proposta de

intervenção no dia 16 de Junho de 2010 às 16:00hs na sala de reuniões do Hospital

Regional Tarcísio de Vasconcelos Maia (HRTVM) convidamos um dia antes os

profissionais de saúde de todos os setores – acolhimento, pronto socorro, clínica

médica, clínica cirúrgica e UTI para uma reunião onde discutiríamos acerca da

humanização. Também convidamos a equipe profissional minutos antes da palestra

através do auto-falante do hospital.

Page 16: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Para a realização da palestra elaboramos uma cartilha que ressalva acerca da

Política Nacional de Humanização do SUS e Carta dos Direitos do Usuário, material

este retirado do site do Ministério da Saúde (ANEXO A – CARTILHA DO PROJETO

POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO DO SUS).

Para estar neste momento convidamos o prof. Elan para falar sobre

humanização, relações humanas e trabalho com a equipe multiprofissional do HRTM.

Para otimizar este momento também montamos duas sextas com pequenas

lembrancinhas. Nelas utilizamos bombons envolvidos no filó e fita para deixá-los mais

organizados e nelas anexamos uma mensagem que dizia: Nas ações da humanização,

procuramos resgatar o respeito à vida humana, a nossa e a do paciente (Tânia Baraúna).

(ANEXO B – BOMBONS DISTRIBUÍDOS).

Esta mensagem faz o nosso público alvo refletir acerca do seu processo

assistencial, compreendendo que o ser humano é um todo integral e que necessita ser

reconhecido enquanto dimensão subjetiva e enquanto elemento ativo que pode intervir e

não que está ali na condição essencial de paciente. E que o profissional deve sim

respeitar o paciente, que em outros termos é o cliente ou mesmo o usuário que está ali

buscando um serviço de saúde que lhe ofereça resolutividade e principalmente lhe

respeite enquanto dimensão humana.

Inicialmente distribuímos as cartilhas, nos apresentamos enquanto acadêmicos

do 7° período da graduação de enfermagem da UnP e informamos que havia convidado

o prof. Elan para está naquele momento abordando o assunto humanização, relações

humanas e trabalho.

O mesmo por sua vez começou com a apresentação de um filme, onde mostrava

uma situação que uma jovem passava com o seu carro sem funcionar num lugar deserto

e veio um homem mal vestido e negro, tentando arrancá-la do carro, porém ele não

falava então ele apenas puxava a moça, ela gritava em desespero imaginando que esse

sujeito fosse fazer algum mal a ela, no entanto quando ele conseguiu tira-la do carro

imediatamente um trem passou e destruiu o carro dela.

O filme nos fez perceber a idéia inicial que criamos das pessoas, os preconceitos,

julgamentos e estigmas que muitas vezes fazemos quando nos deparamos com algo

desconhecido, o palestrante fez uma analogia com o processo de humanização, onde

muitas vezes deixamos de ser humanos com as pessoas e principalmente com os

pacientes, pois muitas vezes criamos estigmas e não compreendemos a dor do outro que

não conhecemos bem e nem fazemos o mínimo esforço para reverter isso.

Page 17: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Assim o palestrante relatou sua experiência de vida ao ter passado 68 dias no

HRTVM, após ser baleado. Na fala do professor Elan, foram enfatizados alguns

procedimentos que o mesmo tinha se submetido no HRTVM, relatou do descaso que é o

sistema de saúde, mostrou situações típicas do cotidiano, como um simples

procedimento de banho no leito ressaltando o quanto é constrangedor para um homem

ficar despido diante de enfermeiras jamais vistas antes. Situações como troca de

curativos e administração de medicamentos foram lembradas a todo instante como

procedimentos dolorosos e sem a mínima compreensão da equipe, muitas vezes

mecânico, além de não explicarem para ele o que iria ser feito e qual o seu efeito.

A partir do relato do professor baseado numa vivencia real, o mesmo trouxe a

difícil tarefa de humanizar um ambiente onde o fluxo de usuários é tão intenso, mas

ressalvou a importância de ser trabalhar com o gosta e como gosta para assim ter um

resultado mais satisfatório, não para o usuário, mas para os trabalhadores e a instituição

como um todo.

A palestra foi finalizada com um vídeo, mostrando trechos do filme de Patch

Adams, que trazem situações comuns do dia dia e como saber perceber o individuo de

acordo com a sua necessidade peculiar, aprendendo a olhar o usuário de mais

qualificada (ANEXO C – FOTOS DA APRESENTAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO

DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO).

Assim, para este momento tivemos um público de 27 profissionais da saúde,

dentre eles enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, bem como os técnicos

farmacêuticos e nós acadêmicos de enfermagem da instituição UnP - Universidade

Potiguar (ANEXO D – FREQUÊNCIA DA PALESTRA: HUMANIZAÇÃO E CARTA

DOS DIREITOS DO USUÁRIO REALIZADA NO HRTM NO DIA 16/06/2010).

A metodologia traçada nessa intervenção foi importante e satisfatória, uma vez

que percebemos que prendeu a atenção dos ouvintes, através da interação de uma

palestra de caráter dinâmico, ressaltando através de vídeos, áudio, imagens e cartilhas o

tema central do projeto que é a humanização e a carta dos direitos do usuário do Sistema

Único de saúde (SUS). Convêm perceber que houve a participação e interação dos

ouvintes com o palestrante.

Sendo assim ressaltamos a significância de se realizar o processo de

aprendizagem de forma continua e processual, pois permite agregar novos saberes.

É valido ressaltar a importância da parceria entre universidade e serviços de

saúde, com o objetivo de permitir a troca de experiências e aprendizagens. Nessa

Page 18: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

perspectiva trazemos a tona o processo de humanização como um canal de comunicação

entre usuários, profissionais de saúde, no qual também se faz necessário trazer a

comunidade acadêmica como participante efetiva desse processo, permitindo o

estabelecimento de vínculos solidários e a participação coletiva no processo de gestão e

realização assistencial, visando com isso à melhoria das condições de trabalho e do

atendimento aos usuários SUS.

Salientamos a contribuição ímpar que tal trabalho pode trazer para os

acadêmicos em seu processo de formação, uma vez que trabalhada essa temática de

humanização na academia poderá formar profissionais com um olhar mais humanizado

acerca do sistema de saúde e usuários.

É importante perceber que a observação da realidade permite vivenciar a rotina

diária do setor, consequentemente, a sua funcionalidade. Com isso, é possível traçar

estratégias que venham a proporcionar uma intervenção mediante a realidade percebida.

Page 19: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este relatório de implementação de uma intervenção parece-nos como uma

grande representação da relação entre teoria e prática que tanto nos importa. Conhecer a

realidade é um passo inicial e decisivo para intervir nesta realidade. A proposta de

intervenção foi importante do ponto de vista do aprendizado entre profissional e

acadêmicos. Parece-nos, sem irmos muito mais além em nossas considerações, que a

enfermagem ganha sempre novas dimensões e que nossas vivências acadêmica e

profissional podem, sempre que relacionarmos teoria e prática, dar saltos bem mais

altos, rumo a um processo fundamental de transformação: a transformação de cada um

de nós, pois se em cada um houver uma semente de mudanças, a realidade de nossa

saúde pública poderá mudar, tendo a perspectiva de seguir melhorando.

Por fim, gostaríamos de considerar o valor da prática da intervenção, uma vez

que esta é um instrumento de estímulo ao conhecimento de nossa prática profissional,

tendo em vista que oferece a oportunidade de conciliar teoria e prática de forma

significativa.

Para realizar práticas de intervenção é necessário a principio conhecer o

serviço e sua funcionalidade através da captação da realidade, pois só se conseguirá

traçar estratégias e implementar algo pela equipe profissional e o serviço se tivermos o

conhecimento das necessidades e problemas vigentes em cada setor.

Este ato deve ser realizado de forma contínua e com apoio de todos que

compõe a equipe multiprofissional, pois só haverá de fato intervenção se os próprios

envolvidos tiverem consciência de que a mesma é necessária.

Vale ressaltar que ficamos satisfeitos com a presença de todos os participantes

na sala de reunião da instituição, pois segundo informações colhidas com a equipe de

enfermagem, os profissionais são resistentes para frequentar atividades como esta.

Page 20: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, M. F. Planejamento familiar: seis razões para ser contra. Saúde em debate,

n.15/16, 1984.

BRUNNER & SUDDARTH. Pensamento Crítico, tomada de decisão ética e

processo de enfermagem In. Tratado de Enfermagem Médico – Cirúrgica. 9. ed. Rio

de Janeiro (RJ); Guanabara Koogan; p. 26 -43 cap. 03, 2002.

CAMPOS, Gastão. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a construção do

sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda.

São Paulo: Hucitec, 2000.

CARNOT, E. Humanização e políticas de saúde: um estudo sobre os usos e sentidos

das propostas de humanização nas políticas de atenção à saúde da mulher. 2005. Tese

(Doutorado) -

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social,

Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

COSTA, A. M. Atenção integral à saúde das mulheres: quo vadis? uma avaliação da

integralidade na atenção à saúde das mulheres no Brasil. 2004. Tese (Doutorado) -

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências da Saúde,

Universidade de Brasília, Brasília.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

1978.

Brasil. Ministério da Saúde. O Ministério da Saúde implementa a Política Nacional

de Humanização (PNH) HumanizaSUS In: Grupo de trabalho de humanização.

Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização.

Grupo de Trabalho de Humanização / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à

Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 2. ed. – Brasília :

Editora do Ministério da Saúde, 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde: ilustrada /

Ministério da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 8 p.: il. (Série F.

Comunicação e Educação em Saúde.)

CAMPOS, Gastão; MINAYO, Maria et al. O estudo das políticas de saúde:

implicações e fatos In: Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de

Janeiro: ed Fiocruz, 2006.

CAMPOS, Gastão. Clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada In:

Saúde Paidéia. São Paulo: Editora Hucitec, 2003.

Page 21: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

BRASIL. Ministério da Saúde: O que é o HumanizaSUS In:

<http://portal.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/visualizar_texto.cfm?idtxt=28288>

Acesso em 22 mai. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde: Cartilha HumanizaSUS In:

<www.saude.gov.br/humanizasus> Acesso em 22 mai 2010.

BENEVIDES, Regina; PASSOS, Eduardo. Humanização na saúde: um novo

modismo?. V.9, n.17, 2005 p. 389-394.

CAMPOS, Gastão. Humanização na saúde: um projeto em defesa da vida? V.9,

n.17, 2007.

DESLANDES, Suely. Análise do discurso oficial sobre a humanização da

assistência hospitalar. Ciênc. saúde coletiva [online], V.9, n.1, 2004.

Page 22: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...
Page 23: UNIVERSIDADE POTIGUAR-UnP CAMPUS MOSSORÓ ...

Recommended